quarta-feira, 25 de setembro de 2013

No alto de uma pedra

Lá estava ela sentada no alto de uma pedra.
O vento soprava levemente brincando com seus cabelos e beijando a sua face tão alva.
Seus braços abertos como se quisesse receber o abraço de um Ser invisível, porém, tão real pra ela.
Seus olhos estavam fechados e as lágrimas procuravam um caminho para correr em seu rosto.
Sua alma sentia dor, seu espírito clamava por um refúgio, sua carne desejava somente ser aquecida pelo amor.
Longe, lá longe... Ouvia-se a voz do mar...
Era uma voz rouca, forte e ao mesmo tempo alentadora.
Suavemente seus braços repousaram em seus joelhos e num sussurro fez uma prece:
"Ainda que a noite se torne dia...
Ainda que o dia se torne noite...
Ainda que falte as palavras...
Ainda que falte as forças...
Ainda que falte a fé...
Ainda que falte a esperança...
Ainda que eu desfaleça...
Uma coisa peço: Não permita que eu não veja um novo amanhecer.
E o dia será dia.
E a noite será noite.
E o sono será leve.
E a esperança brotará, vivificará com mais força."
Um soluço foi seu amém.
Seu coração já não estava apertado.
Ela sabia que Ele jamais a abandonaria mesmo que ela não o sentisse e nem O percebesse.
Sempre existiria um lugar em Seu coração para receber quem já não tinhas forças pra caminhar...

Um comentário:

  1. Muito bom texto!
    Me indentifiquei aí.

    Parabens!!!

    ResponderExcluir

Agradeço por desejar compartilhar seus pensamentos e opiniões sobre o que escrevi. Sinta-se em casa e lembre-se que o respeito faz toda a diferença ao manifestar seus comentários. ;-)