segunda-feira, 27 de abril de 2015

Hoje, ele amanheceu comigo...

Não é sempre que isso acontece...
Mas, hoje, aconteceu.
Ainda estava sonolenta na cama tentando levantar e iniciar mais um dia quando uma passagem bíblica surgiu como se fosse um sol que desperta de mansinho entre montanhas.
Mas é um texto tão conhecido, Tininha?
Pois é...
Três personagens: 1 pai, 2 filhos.
Um pai amoroso que trata bem seus empregados, que ama seus filhos e dá liberdade para que vivam suas vidas.
Já sabe, né? Sim, a parábola do Filho do Pródigo.
Mas não foi bem a história do filho pródigo que ardeu meu coração. Foi a história do irmão do filho pródigo. O filho mais velho. Aquele que a gente quase nem repara na sua existência.
Você provavelmente conhece muito bem a história e não há necessidade de repetir aqui tudo o que aconteceu... Porém, este texto fez com que eu questionasse a mim mesma.
Nasci num lar evangélico e desde pequena sempre fui envolvida com os trabalhos da igreja.
Ainda criança cuidava das crianças.
Adolescente regia um grupo de jovens (sinceramente, não queria mas fui "obrigada").
No início da minha juventude (ainda sou novinha, viu? tá... quase novinha...rsrsrs), trabalhei com eventos da juventude em minha igreja, no ministério de louvor, dei aula para as crianças na EBD e mergulhei no mundo missionário onde vivi as experiências mais lindas e loucas que nunca poderia imaginar.
Mas se você me permite ser sincera... Nem tudo foi flores. Lidar com o ser humano é muito difícil. E permita-me ser mais sincera ainda? Lidar com "crentes" é um desafio diário.
Não vou desfilar aqui os motivos que me trouxeram frustrações, mágoas, decepções, raiva...
Não vou falar dos outros. Vou falar de mim. E é bem aí que este texto me confronta.
Nesses dias, orando desabafei com Deus: "Caramba, sempre fui dedicada, responsável, comprometida, leal com tudo o que fiz e assumi, tanto na igreja quanto a vida fora dela. Nunca vivi personagens em cada dia da semana e hoje carrego indignação, frustrações e sempre colhendo caquinhos de vidros espalhados pelo chão. Quando penso que colhi tudo aparecem mais alguns... Assim não dá! Não posso negar que vejo o Seu cuidado comigo, Sua paciência em lidar com alguém tão chata como eu e acredite sou muito grata... Mas tá doendo, sabe?..."
Dias depois, especificamente hoje, esse texto do Filho pródigo queimou o meu peito e enquanto não parasse o que estava fazendo sentia um incomodo absurdo. Tomei meu café e fui pra sala. Sentei no sofá toda torta (como sempre) e bati um papinho com Deus e pedi para que Ele falasse claramente comigo sobre essa passagem e principalmente do irmão do filho pródigo. Mas Ele já não tinha sido claro, Tininha? Sim. Estava tão claro como a água que jorra da fonte mas eram meus olhos que estavam focados em situações que me cegavam.
O irmão do filho pródigo se revolta com a volta do irmão e de como ele é recebido e questiona o pai sobre a forma como ele próprio é tratado. A resposta do pai embrulhada com a paciência, gentileza, graciosidade e mansidão ecoa na alma do seu filho revoltado:
"MEU FILHO, VOCÊ SEMPRE ESTÁ COMIGO. TUDO O QUE TENHO É SEU!"
Levei uma bifa bem dada na cara.
Quando foi que Deus me abandonou? O fato de não vê-Lo e não senti-Lo O torna ausente?
Quando foi que Deus me deixou na mão ou passar por privações? O fato de Ele não realizar o que quero do meu jeito e na minha hora O torna insensível e carrasco? Alguma vez Ele deixou de suprir alguma necessidade sua, Tininha?
Saber que Ele É comigo já não faz toda a diferença? Saber que Ele cuida de mim não basta?
Então, Deus com toda a sua mansidão cochicha em meus ouvidos: "Tininha, minha filha, você sempre está comigo. Tudo o que tenho é seu, cabeça dura!" (cabeça dura é por minha conta...rs).
É nesse momento que a gente percebe que o mais importante, o mais valioso não se pode tocar e nem ver.
É essa presença que nos envolve e nos abraça. Que nos protege e nos disciplina. Que nos leva ao deserto e ao mesmo tempo é o nosso oásis. É essa graça que nos sustenta e nos ensina a viver com os altos e baixos.

E você? Qual dos dois filhos você é? =)

Um comentário:

  1. Blog encantador,gostei do que vi e li,e desde já lhe dou os parabéns,
    também agradeço por partilhar o seu saber, se achar que merece a pena visitar o Peregrino E Servo,também se desejar faça parte dos meus amigos virtuais faça-o de maneira a que possa encontrar o seu blog,para que possa seguir também o seu blog. Paz.
    António Batalha.
    http://peregrinoeservoantoniobatalha.blogspot.pt/

    ResponderExcluir

Agradeço por desejar compartilhar seus pensamentos e opiniões sobre o que escrevi. Sinta-se em casa e lembre-se que o respeito faz toda a diferença ao manifestar seus comentários. ;-)